Três regras básicas: o que as franquias podem ou não fazer nas redes sociais

Três regras básicas: o que as franquias podem ou não fazer nas redes sociais

Três regras básicas: o que as franquias podem ou não fazer nas redes sociais

As redes sociais estão se consolidando como ferramenta fundamental para a comunicação entre franquias e seus clientes. No entanto, para garantir a segurança na comunicação e nas ações desenvolvidas por meio das fanpages, é fundamental seguir padrões e cuidados especificados nos manuais para franqueados. Para não criar conflitos com o franqueador e garantir a transparência, vamos entender o que as franquias podem ou não fazer nas redes sociais.
 
Para começo de conversa, a manutenção de todo tipo de página de relacionamento deve ser centralizada nas mãos do franqueador. Com isso, espera-se um controle maior do que é postado, já que ele tem pleno conhecimento sobre o que as franquias podem ou não fazer nas redes sociais. Espera-se, ainda, uma manutenção da linguagem da marca e, sobretudo, um acompanhamento de perto do que é postado pelos clientes, o que facilitará a identificação de uma crise.
 
Caso esta centralização não seja possível, o contrato entre as duas partes deve incluir, no capítulo que fala sobre as possíveis formas de utilização da marca, regras claras sobre redes sociais. Uma alternativa é incluir normas sobre o assunto nos manuais do franqueado, detalhando o que as franquias podem ou não fazer nas redes sociais.
 
Além deste procedimento básico, deve-se seguir uma rotina de cuidados com a orientação dos franqueados. Esta rotina deve incluir direcionamentos constantes. Geralmente, a maior dúvida do franqueado é sobre como ele deve agir caso algo ruim for postado em sua página. Portanto, deve-se focar neste ponto com frequência. Caso a crise aconteça, é importante que o franqueado entre em contato com o franqueador para receber orientações antes de agir ou de tomar alguma providência diretamente na rede social, como responder ao comentário negativo.
 
Outra questão delicada está relacionada à utilização do Facebook como canal de vendas. Franqueadores devem ser informados imediatamente se houver qualquer intenção de implantar o “f-commerce”, já que se trata de uma atividade regulada pelo Código de Defesa do Consumidor. Ou seja, qualquer deslize pode arranhar diretamente a imagem da marca franqueada.

Você também pode se interessar por...

Zelo Aposta Na Rio Franchising Para Lançar Franquia De Limpeza Residencial

Zelo Aposta Na Rio Franchising Para Lançar Franquia De Limpeza Residencial

Zelo, rede especializada em limpeza residencial, apresentou seu novo modelo de negócios em uma das mais importantes feiras franchising do Brasil, a Rio Franchising. O evento aconteceu entre os dias 26 e 28 de setembro, no Rio Centro. A empresa, que está há 11 anos no mercado, aproveitou o bom momento do setor de franchising […]

+
Quer aprender como vender mais?

Quer aprender como vender mais?

Você já ouviu inúmeras dicas de como vender mais. Algumas prometem verdadeiros milagres, outras são antiéticas ou mesmo ilegais, e, por vezes, tudo isso junto. Um trabalho de vendas antiético, por exemplo, pode aumentar os números em um primeiro momento, mas fazê-los desabar num segundo, ou mesmo causar a falência da empresa.   Ampliar as […]

+
Zelo Participa da 13° Convenção ABF do Franchising

Zelo Participa da 13° Convenção ABF do Franchising

Renato Ticoulat Neto, diretor de novos negócios da Zelo e ex-diretor da ABF – Associação Brasileira de Franchising, da ABRALIMP – Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional e da ACSP – Associação Comercial de São Paulo, além de fundador da ABRAFAC – Associação Brasileira de Facilities e ex-master franqueador da multinacional Jani-King, estará representando […]

+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *